21Outubro2017

Bem-Vindo, Visitante
Username: Password: Lembrar-me

TÓPICO: Como a bola de plástico alterou o jogo?

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 3 dias ago #109004

  • Tiago Brizola
  • Tiago Brizola's Avatar
  • OFFLINE
  • Expert Boarder
  • Postagens: 120
  • Agradecimentos recebidos 28
  • Karma: 1
Olá pessoal, tenho conversando e lido bastante a respeito das mudanças causadas pela utilização das bolas de plástico, em especial em relação às mudanças de estratégia de jogo e adequações de estilo.
Parei de jogar em meados de 2013 e voltei no final de 2016, então não passei por um período de transição, pois ao voltar tive que reaprender muita coisa e já com as bolas de plástico. Mas hoje, cerca de 10 meses após ter retornado, consegui avaliar um pouco as mudanças em relação ao meu próprio jogo.

Venho utilizando principalmente a Nittaku 40+ 3***, a DHS D40+***, a Tibhar 3*** e a Xushaofa 3***, todas elas apresentam algumas diferenças entre si, principalmente as duas primeiras em relação às últimas.

Meu jogo foi sempre baseado em bloqueios e contra-ataques rápidos, muitas trocas de bola e eventualmente terceiras bolas rápidas para tentar surpreender o adversário, valendo-me de movimentação rápida na mesa.
Com as bolas plásticas sinto, por um lado, mais facilidade em bloquear ativamente e por outro, que os bloqueios ativos não são mais tão efetivos, pois o retorno da bola é mais lento e com um quique mais alto, o que facilita a chegada do adversário. Senti então a necessidade de adaptar meu estilo para ser mais ofensivo e tomar mais riscos nos contra-ataques para conseguir manter o jogo efetivo.

Percebi que receber saques se tornou mais fácil, pois com as bolas plásticas recebem menos giro e também tem o quique é mais alto. Imagino que os jogadores que tem como ponto forte o saque e a 3ª bola tenham observados dificuldades nessa área.

A maior dificuldade que observei com as bolas plásticas foi em impor efeito à bola. A forma que costumava executar os golpes geravam um spin OK, mas com as bolas novas, realmente não estava sendo efetivo nesse quesito. Então mudei a forma de segurar a raquete para ficar com o pulso mais “livre” e estou tendo que jogar mais abaixado para poder usar a força das pernas de maneira mais efetiva, o que causa mais desgaste físico. Além disso não consegui encontrar uma estratégia efetiva para jogar contra two-wing loopers, pois sinto que as bolas de efeito quicam de forma muito diferente.

E vocês precisaram mudar a forma de jogar? Sentiram diferenças para melhor ou pior?
Jogadores que usam pinos longos foram afetando pela diminuição do giro?
Eu sei que no nível profissional a mudança é bem visível, mas gostaria de saber o que mudou para nós, meros mortais.
Clube Thalia - Curitiba/PR
www.tmthalia.com.br
Classista
DONIC Waldner OFF World Champion 89
FH: TIBHAR Evolution MX-P
BH: DONIC Bluefire M2
Última Edição: 3 mêses 3 dias ago por Tiago Brizola.
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.
Os seguintes usuários disseram Obrigado: Gesouza

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 3 dias ago #109010

  • julio.nakatani
  • julio.nakatani's Avatar
  • OFFLINE
  • Gold Boarder
  • Postagens: 194
  • Agradecimentos recebidos 93
  • Karma: 10
O que mais mudou para o meu nível peba foi o gasto com bolinhas. Quebram muito fácil e vieram (1ª geração) muito, mas muito mesmo, ovais. Do ponto de vista do jogo, consegui perceber realmente a diminuição da velocidade média da bola e uma menor capacidade de imprimir efeito em topspins. Muitos colegas disseram que tem de pegar a bola mais atrás (3 do relógio) do que em cima (12 do relógio), então pode ser daí que você está observando que tem de agachar mais e chegar mais com o corpo inteiro na bola.
Julio Kyosen Nakatani
(Classista Destro)

Material:
Raquete - J. TPE Fight
Borracha FH - C. Target Pro H47 / Borracha BH - C. Target Pro M43

Clube: AGM (Goiânia - GO)
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.
Os seguintes usuários disseram Obrigado: Gesouza

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 3 dias ago #109011

  • Nakata
  • Nakata's Avatar
  • OFFLINE
  • Moderator
  • Postagens: 4674
  • Agradecimentos recebidos 224
  • Karma: 9
Assim como o Júlio meu gasto com estas bolas de plástico está sendo bem maior.
Mas isso porque eu escolhi jogar com as bolas 40+ ao invés das D40+ (ambas DHS de 1 estrela). A diferença entre elas é nítida, e infelizmente a balança não pesa para nenhum lado.
As 40+ são mais parecidas com as antigas bolas de celuloide, embora de início eu tenha notado um diâmetro ligeiramente maior, e menos rotação e velocidade. Isso foi comprovado logo de cara, criando mais dificuldades para eu finalizar terceira bolas. Com a bola de celuloide eu finalizava com muito mais frequência e sucesso.
A grande desvantagem desta bola 40+ é a fragilidade, estou quebrando uma a cada 3h de jogo +ou-.
Já a bola D40+ é bem mais resistente, tem o plástico mais grosso, mais pesado e que não sofre arranhões com a mesma facilidade que a 40+. Isso se traduz em maior durabilidade e certamente aguenta mais que um simples treino. Mas o problema é justamente treinar com ela. Que bola horrível! Pega pouco topspin, necessita de muito mais força para sair veloz e quica alto demais a ponto de me fazer errar (furar) tsusuki.
Agora testarei de outra marca e de 3 estrelas, mas ainda com o modelo antigo 40+.
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.
Os seguintes usuários disseram Obrigado: Gesouza

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 2 dias ago #109018

  • didiosan
  • didiosan's Avatar
  • OFFLINE
  • Platinum Boarder
  • Jogando e aprendendo...
  • Postagens: 732
  • Agradecimentos recebidos 341
  • Karma: 20
Muito interessante o tópico, Tiago!
Fora o impacto financeiro, tive a mesma impressão dos colegas. A única diferença é que achei as 40+ meio xoxas, tanto em relação às antigas bolinhas de celuloide quanto em relação às novas D40+. Como praticamente só uso DHS há alguns anos, consegui fazer a transição com parâmetros razoavelmente bons. A única ressalva sobre as impressões que eu tive com a 40+, é que como tinha muita bolinha de celuloide estocada, não demorei muito tempo nas 40+ e pulei rapidamente para as D40+. Logo, o fato de eu achar elas xoxas pode ser relacionado a um lote ruim ou a exemplares fabricados no início, quando o material ainda estava em desenvolvimento.
De qualquer forma, acredito que ainda haverá uma evolução no processo de fabricação, que resultará numa diminuição da diferença entre o comportamento da bolinha de celuloide e as de plástico.
Não testei ainda, mas essa última geração de borrachas da ESN é interessante e pode ajudar nessa diminuição da distância. Topsheet mais fino e esponja mais grossa, teoricamente, ajudariam na geração de spin. Se isso funciona na prática e a real extensão dessa melhoria, são outros 500. Isso para o pessoal amador, claro. Os pros tem condições técnicas e físicas para se adaptar a essas mudanças muito mais facilmente que nós (eu), vis mortais... hehehehehehe
Por hora, acredito que o jeito seja aprimorar a técnica e se adaptar da melhor maneira possível.Como está todo mundo nivelado quanto à adaptação ao novo material, quem conseguir fazer os ajustes mais rápido levará alguma vantagem, pelo menos por enquanto...
Raquete: Butterfly Photino
Forehand: Vega Japan
Backhand: Rakza 7 Soft

Raquete: Butterfly Viscaria
Forehand: Tenergy 05
Backhand: Vega Asia
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.
Os seguintes usuários disseram Obrigado: Gesouza

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 2 dias ago #109019

  • Alcir
  • Alcir's Avatar
  • OFFLINE
  • Moderator
  • Postagens: 2244
  • Agradecimentos recebidos 318
  • Karma: 35
Bom dia Tiago,

Uma distinção importante que vc fez foi "o que muda para nós mortais". E as diferenças que vc aponta são de fato bem nítidas, e se mostram a muitos ou quase todos (mesmo em nível técnico mais baixo, ou seja, até a mim hahahahahaha), mas como em tudo no tênis de mesa, há muita pretensão. A verdade é que "nós mortais" temos muita estrada para correr antes de sentir tanta diferença apresentada pelas novas bolas (talvez um pouco mais com as "X"40+). Nesse sentido, penso que as diferenças que vc apresentou são bem adequadas a realidade de um atleta amador, e eu sinto basicamente o mesmo.

Mas concentrando-se diretamente na sua pergunta, a respeito da forma de jogar, geralmente atletas amadores não têm um padrão de jogo ou características tão definidas e (sobretudo) regulares que levem a conflitar com as características das novas bolas de forma a exigir uma mudança. Para vc fazer ideia, na primeira mudança (para as 40+), nem mesmo os profissionais mudaram substancialmente grandes coisas, apenas foram se adaptando ao timing (o que nem leva tanto tempo, nem para nós) e trabalhando formas de compensar a velocidade da bola. Sendo assim, com menos spin (principalmente) e velocidade, para "nós mortais", vi mudança até mesmo para melhor. E como aparentemente ninguém "pode" dizer isso, deixo aqui esclarecido: a durabilidade e qualidade geométrica das bolas é um outro assunto, e tem sim seus impactos negativos, mas estamos falando de jogo (por incrível que pareça hahahahaha). Eu tive / tenho a oportunidade de treinar com profissionais tanto com as bolas de celuloide como com as bolas de plástico, e posso dizer da minha perspectiva de mortal sem talento que certamente com a bola de celuloide é MUITO mais difícil. Mas só vamos sentir tanta diferença a ponto de ter que mudar o jogo quando conseguirmos colocar tanto efeito e velocidade como eles, e talvez nem assim.

Em relação ao pino longo, tive uma experiência recente que me permitiu finalmente ter mais do que uma análise a respeito. Mesmo depois de tanto tempo de plastic ball por aí, apenas há pouco mais de um mês atrás tive a oportunidade de jogar contra um defensivo com estas novas bolas. Por uma série de circunstâncias, nos últimos 8 a 9 meses, tenho treinado pouquíssimo (e mal, inclusive), e somado ao fato de eu nunca ter tido um grande desempenho contra defensivos, por falta de oportunidade (poucos defensivos por aqui), talento, etc., esperava mal conseguir jogar. Para piorar, o adversário era um bom defensivo, bastante regular, o que significa que o que fosse muito provavelmente voltaria, exigindo regularidade de mim tb. Entrei para jogar com o objetivo de não passar vergonha hahahhaahahah. Mas ao longo do jogo, muitas bolas que eu não imaginava conseguir passar de topspin entraram, até algumas que golpeava certo de que iria errar. Não venci a partida, mas perto do que eu esperava, o 3X2 (o que não conta pelo placar em si, mas pela capacidade de jogar em "igualdade") ficou de ótimo tamanho. O que eu quero dizer com isso acima de tudo é que, neste caso, de fato seria muito mais difícil com a bola de celuloide, afinal eu definitivamente não estava numa exibição além do meu costumeiro "mediano/medíocre". Assim, deu para perceber que, mesmo em nível técnico mais baixo, dá para sentir esta diferença no jogo contra pino. Isso não significa por si só que as características do pino longo não surtam mais nenhum efeito no jogo, e que isso fique bem claro. Mas é nítido que, para os fins que se tinham, não haverá a mesma facilidade em obtê-los.

Já com a última geração das bolas de plástico, as características da 40+ ficaram ainda mais acentuadas: menos velocidade e menos efeito. Neste sentido, com os limites aumentando, talvez mais gente se veja afetada de forma a procurar mudar formas de jogo, mas como eu disse logo no começo, ainda existe muita pretensão. Em nível técnico elevado / profissional, muita gente que tem jogo bastante baseado em spin ainda está se adaptando, e eu mesmo conheço alguns, mas nós precisamos de muito para chegar lá ainda. Então resumindo, e mais uma vez, desconsiderando o aspecto geometria e durabilidade e pensando apenas no jogo em si (geralmente o único que não se leva em conta), acredito que "nós mortais" ganhamos mais do que perdemos. Procurando fazer bem e regularmente o que já se faz, bola nenhuma vai deter ninguém hahahahahahah.

Abraços!!!
Alcir Zardetto Franzol
(Classista Destro Off -)

Material:
Raquete - Butterfly Petr Korbel
Borracha FH - Tibhar Evolution MX-S / Borracha BH - Tibhar Evolution FX-P
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 2 dias ago #109022

  • Tiago Brizola
  • Tiago Brizola's Avatar
  • OFFLINE
  • Expert Boarder
  • Postagens: 120
  • Agradecimentos recebidos 28
  • Karma: 1
Realmente o preço está absurdo, nunca tinha comprado bolas no exterior, mas agora mesmo com o risco de taxação, está valendo bem mais do que pegar R$ 15,00 reais numa Nittaku, por exemplo.
Todavia, como o Alcir, também achei uma mudança boa, já que, pelo menos pro meu estilo, esse centésimo de segundo a mais que a redução de velocidade e de spin proporcionam, me permite contra-atacar com bem mais qualidade que antes. Ainda não consigo trocar drives com tanto consistência, mas isso deve muito a falta de treino nessa área, pois defino objetivos e vou avançado na dificuldade dos treinos pouco a pouco, então ainda não venho treinando muito o jogo a média e longa distância.
No meu caso, a diferença de spin da bola ressaltou um aspecto que já era deficiente no meu jogo, mas que era de certa forma compensado, então agora estou trabalhando para melhorar a técnica e isso acabou meu ajudando a ler melhor o giro das jogadas dos adversário. Usar borrachas um pouco mais duras também me ajudou. Contra aqueles jogadores mais "malandros", que usam muitas bolas sem giro ou entortadas baseadas em técnicas "pouco ortodoxas", haha, achei que ficou mais fácil jogar também. (me refiro aos jogadores que sabem como executar os movimentos de forma correta, mas que usam a "malandragem" como recurso, muitas vezes de forma predominante no jogo, e que por isso dão muita dor de cabeça, principalmente pra quem não consegue ter um bom ritmo de treino)
Clube Thalia - Curitiba/PR
www.tmthalia.com.br
Classista
DONIC Waldner OFF World Champion 89
FH: TIBHAR Evolution MX-P
BH: DONIC Bluefire M2
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 1 dia ago #109027

  • xleo97
  • xleo97's Avatar
  • OFFLINE
  • Fresh Boarder
  • Postagens: 13
  • Agradecimentos recebidos 4
  • Karma: 0
Entrevista com Jan Ove Waldner

Qual sua opinião sobre a bola de 40 mm: Eu acho que isso levou a menos torneio e menos tênis de mesa divertido. Mais jogadores jogam com menos imaginação e mais como robôs nos dias de hoje.
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 1 dia ago #109028

  • Nakata
  • Nakata's Avatar
  • OFFLINE
  • Moderator
  • Postagens: 4674
  • Agradecimentos recebidos 224
  • Karma: 9
Tiago Brizola escreveu:
Todavia, como o Alcir, também achei uma mudança boa, já que, pelo menos pro meu estilo, esse centésimo de segundo a mais que a redução de velocidade e de spin proporcionam, me permite contra-atacar com bem mais qualidade que antes.
Para o meu estilo (caneteiro de pino curto) isso foi péssimo. O tempo extra que você ganha para golpear o oponente também ganha.
E meu jogo se baseia muito nisso, cortar o tempo de reação do adversário, pegando tudo que puder no topo. Por isso eu achava a bola de celuloide tão boa.
Mas é claro que eu reconheço que não tem volta e agora eu estou tentando algumas variações. Na parte do material, uma raquete com sweet spot maior e um pino que inverte mais. Na parte tática, aprimorar a defesa para definir mais em contra-ataques ao invés de atacar tudo que puder.
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.

Como a bola de plástico alterou o jogo? 3 mêses 1 dia ago #109030

  • Alcir
  • Alcir's Avatar
  • OFFLINE
  • Moderator
  • Postagens: 2244
  • Agradecimentos recebidos 318
  • Karma: 35
xleo97 escreveu:
Entrevista com Jan Ove Waldner

Qual sua opinião sobre a bola de 40 mm: Eu acho que isso levou a menos torneio e menos tênis de mesa divertido. Mais jogadores jogam com menos imaginação e mais como robôs nos dias de hoje.
Só para constar, nessa entrevista o Waldner ainda falava da mudança da bola de 38mm para a de 40mm, há mais de 15 anos. Se vc quis dizer que na sua opinião vale o mesmo (e até hoje, no caso), entendo, mas é necessário esclarecer que o Waldner não estava falando da mesma coisa.

Abraços!!!
Alcir Zardetto Franzol
(Classista Destro Off -)

Material:
Raquete - Butterfly Petr Korbel
Borracha FH - Tibhar Evolution MX-S / Borracha BH - Tibhar Evolution FX-P
O administrador desabilitou o acesso público de escrita.
Time to create page: 0.289 seconds